Jogos Eletrônicos no Ambiente Hospitalar

GIOVANA FARIA

Jogos eletrônicos e ciência juntos? Isso é sim possível e o grupo Jogos Eletrônicos no Ambiente Hospitalar: Desenvolvimento de Tecnologias de Entretenimento Digital para Atenuar Efeitos de Tratamentos Médicos  vai mostrar aos pequenos cientistas como algo que muitas vezes é relacionado apenas ao entretenimento pode ser utilizado para a pesquisa científica.

O grupo de orientadores deste projeto é composto pelo Matheus de Freitas Oliveira Baffa, graduado pelo Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais (IFSudesteMG) e mestrando pela Universidade de São Paulo (USP – RP), Alessandra Martins Coelho, professora do Departamento Acadêmico de Ciência da Computação, do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais (IFSudesteMG), e Joaquim Cezar Felipe, Professor Associado na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP-RP, atuando na graduação junto aos cursos de Ciência da Computação e Informática Biomédica e na pós-graduação junto aos programas em Computação Aplicada e em Bioengenharia.

 

Como você conheceu a Casa?

MATHEUS Conheci a Casa da Ciência através da página da USP – Ribeirão Preto no Facebook. Havia um chamado de orientadores para o projeto.

O que te motivou a escolher participar do Pequeno Cientista?

MATHEUS Achei que seria uma boa oportunidade para mostrar aos jovens pesquisadores o método científico utilizado na Ciência da Computação.

Como foi realizada a escolha dos temas das aulas?

MATHEUS O tema escolhido tinha como objetivo poder trabalhar o aspecto investigativo dos alunos, fazendo com que eles se tornassem aptos a identificar problemas e propor soluções utilizando tecnologias. Além disso, o tema Jogos Eletrônicos é muito associado ao entretenimento, e aqui mostramos que podemos utilizar também para pesquisa através do desenvolvimento de jogos sérios.

Por que você escolheu este método de ensino?

MATHEUS O método empregado envolve o aluno no ambiente investigativo, permitindo que ele explore e levante problemas do ambiente hospitalar conversando com amigos, parentes ou buscando notícias, e possam buscar soluções dado a ferramenta apresentada.

Você já alterou algo no método de ensino ou no conteúdo após esses primeiros encontros? Se sim, baseado em qual comportamento do aluno?

MATHEUS Para que eles se tornem mais participativos e questionem mais, algumas atividades foram adicionadas como dinâmicas em sala, atividades de pesquisa e apresentação. Fazer com que eles se tornem mais participativos e questionem mais os conceitos apresentados é de extrema importância para que os alunos tenham experiência de como realmente acontece uma pesquisa.

O grupo do Matheus é composto pelos alunos:

  • Elayne Beatriz Pinto da Silva 
  • Julia Cristina Veronezi 
  • Luiz Alberto Maltezi Vieira 
  • Pietra Jamily Braga dos Santos
  • Queren Caroline Matos de Brito 
  • Thierry Pablo Alves Adriano

Deixe uma resposta