Casa da Ciência 10 anos

A Casa da Ciência teve seu início em 2001 com o projeto educacional As Células, o Genoma e Você, ligado ao CTC (Centro de Terapia Celular), um dos Cepids (Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão) financiados pela Fapesp.
Este Folhetim mostra um pouco da trajetória de 10 anos e os atuais programas coordenados pela Casa da Ciência com o apoio do Hemocentro de Ribeirão Preto.


Alunos e Pesquisadores: É possível conviver e aprender?

10 anos da Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto

A Casa da Ciência teve seu início em 2001 com o projeto educacional As Células, o Genoma e Você, ligado ao CTC (Centro de Terapia Celular), um dos Cepid´s (Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão) financiados pela Fapesp. Contou também com apoio da Fundação Vitae (2005) para a consolidação do MuLEC (Museu e Laboratório de Ensino de Ciências). O projeto foi proposto a partir da trajetória metodológica do LEC (Laboratório de Ensino de Ciências 1981-2000) da FFCLRP/USP, que trabalhava diretamente com professores e alunos das escolas básicas.

Como é construída a identidade da Casa da Ciência?
Em 10 anos de atividades, a equipe da Casa da Ciência mantém dados de programas que coordena, avalia e documenta. A interação entre pesquisadores, alunos e professores, intermediados pela equipe, é melhor representada pelo programa Adote um Cientista. Mais de 20 programas foram realizados e avaliados, alguns divulgados. Este é o desejo: divulgar os resultados para que professores e seus alunos, além de pesquisadores da área, possam ter seus caminhos encurtados.

Investigar a aprendizagem dos alunos constitui a base da ação metodológica da Casa. Construída no contato direto com eles, revela o potencial desperdiçado dos jovens que, quando estimulados em projetos de iniciação científica, alcançam resultados surpreendentes.

Adote um Cientista – o “carro chefe” da Casa

Decorrente de programas anteriores – Caça-Talentos (2001/03) e Fapesp Jr. (2004) – o Adote nasce em 2005 com a intenção de inserir alunos em projetos de investigação científica. Jovens do ensino básico participam de encontros com pós-graduandos e graduandos do Hemocentro e da USP de Ribeirão Preto, em que temas específicos (geralmente de sua pesquisa) são escolhidos e abordados.

A proposta é aproximar os fazedores de ciência acadêmica dos alunos, maioria da rede pública, para que, em alguns encontros passem a gostar de pensar cientificamente, aprendam a conceituar e a relacionar conceitos, ou seja, passem do palpável às ideias (e vice-versa), num movimento ao mesmo tempo difícil e prazeroso.

Nos últimos anos, acompanhados de seus professores, percebe-se que os novos incorporam mais rapidamente as características do Adote. Ele é um programa reconhecido por ensinar a estudar.

Pré-Iniciação Científica – sintonizando programas educacionais

É um programa da Pró-Reitoria de Pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) e tem como objetivo estimular o interesse científico de alunos da rede pública de ensino pela pesquisa científica. Diversas unidades da USP participam, tendo apoio da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo e da iniciativa privada.

A Casa da Ciência, recebe alunos de Ribeirão Preto e região, inscritos na FMRP/USP. Paralelamente ao seu projeto de pesquisa acompanham as atividades do Adote um Cientista. Uma troca interessante foi estabelecida entre os dois programas, com ganhos mútuos.

Parceiros na Divulgação de Ciências – parceria que deu certo

Curso de especialização, oferecido a professores e jornalistas, com sua primeira turma formada no primeiro semestre de 2011. Antecedido pelo COL (Curso online para professores – 2006), buscou a troca de especialidades entre os dois profissionais: o professor que ensina e o jornalista que divulga. Com a proposta de elaborarem uma aula ou pequeno eixo temático – com plano de investigação, coleta de dados e análise dos resultados – alguns grupos alcançaram a produção em um formato de divulgação.

Ação Docente na Iniciação Científica – orientação em foco

Disciplina de pós-graduação oferecida pelo departamento de Clínica Médica da FMRP/USP. Nela o pós-graduando exercita o papel de orientador de grupo de alunos do Adote num programa que caracteriza iniciação científica. Processo desenvolvido em diferentes graus de escolaridade atende ao caráter coletivo do ambiente escolar. Como é próprio de um trabalho científico, procura aprimorar as hipóteses, objetivos, prazos, registro, redação, apresentação e divulgação dos resultados. Analisa o processo educacional próprio do desenvolvimento de projetos científicos.

Trabalho de Campo do Professor Pesquisador – investigação da aprendizagem

Esta disciplina, também coordenada pela Casa da Ciência, tem seu pro¬grama fundamentado nas atividades desenvolvidas pela Casa da Ciência. Junto com os pós-graduandos, propõe aproximar atividades de professor às de pesquisador, atitudes coerentes com a proposta que considera o professor um investigador de sua ação docente. As atividades docentes são desenvolvidas no Adote um Cientista e nas escolas parceiras da Casa da Ciência.

Difusão com Divulgação Científica – memória ao processo educacional

Todos os registros das atividades de campo, filmagens, fotos, dados coletados, questionários e avaliações processuais dos programas da Casa da Ciência são centralizados no Pipoc (Ponto de Informação, Pesquisa e Organização em Ciências). Neste acervo educacional, materiais são selecionados para a Divulgação e Difusão Científica em cinco formatos: Folhetins, Folha Avulsa, Ciência em Foco, Jornal das Ciências e Laboratório. Todos estes materiais podem ser utilizados por professores e alunos e estão disponíveis no site:

www.casadaciencia.com.br

Equipe da Casa da Ciência:
Ádamo Davi Diógenes Siena
André Perticarrari
Fernando Rossi Trigo
Gisele Souza de Oliveira
Gustavo Leopoldo Rodrigues Daré
Maria José Gerlack Vecchia
Marisa Ramos Barbieri
Ricardo Marques Couto
Rosemeire Rosa Tritola

Colaboração:
Flávia Fulukava do Prado

Deixe uma resposta