Desvendando os mistérios da dor

GIOVANA FARIA

Quem não tem alguma dorzinha aqui ou ali de vez em quando que atire a primeira pedra. As dores fazem parte do nosso cotidiano e, quase sempre, ao começarmos a sentir uma dor de cabeça, por exemplo, já corremos tomar um remédio e em minutos, a dor desaparece. Mas essa situação não é a mesma para quem possui dores crônicas e é exatamente neste universo que a Denise e o Eduardo vão entrar com seu grupo de pequenos cientistas.

Eduardo é graduado em Fisioterapia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC) e pós-graduado Lato Sensu em Fisioterapia Aplicada à Ortopedia e Traumatologia pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e, atualmente, é mestrando pelo programa de pós graduação em Reabilitação e Desempenho Funcional ligado ao Departamento de Ciências da Saúde da faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP). 

Denise, que nos concedeu essa entrevista, é graduada e mestre em Fisioterapia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp), possui doutorado pelo programa de Pós Graduação em Reabilitação e Desempenho Funcional da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP) e, atualmente, é pós-doutoranda também na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP).

Como você conheceu a Casa?

DENISE Eu participei de uma palestra denominada “Pseudociências e a responsabilidade do cientista” promovida pelo Instituto de Estudo Avançados – Ribeirão Preto, no final do ano passado. Ao final da palestra, fui conversar com a palestrante, a Dra. Natalia Pasternak Taschner, sobre meu interesse na divulgação científica para a sociedade, em especial sobre minha vontade de fazer algum projeto nessa temática com crianças/adolescentes da rede municipal de ensino. Enquanto conversávamos, uma pessoa que também estava aguardando para conversar com a palestrante, ouviu nossa conversa e se dirigiu a nós, apresentando-me a Casa da Ciência, e a proposta do projeto Pequeno Cientista. Depois disso, fui na apresentação do Mural do segundo semestre de 2018 para ter uma ideia dos projetos.

O que te motivou a escolher participar do Pequeno Cientista?

DENISE A motivação veio a principio do meu interesse próprio de trabalhar com divulgação científica para sociedade e em especial com crianças/adolescentes. Além disso, quando conheci um pouco mais do trabalho da Casa da Ciência, por meio do Mural e também por meio de vários vídeos e matérias do site, fiquei cada vez mais motivada, empolgada e apaixonada pelo projeto. O desafio de trabalhar com educação de adolescentes também me motiva pela contribuição que essa experiência tem na minha formação como docente.

Como foi realizada a escolha do tema/recorte de pesquisa para as aulas?

DENISE A escolha do tema “Desvendando os mistérios da dor” baseou-se na área da minha pesquisa sobre condições de dor musculoesquelética crônica e também pela alta prevalência de dor crônica tanto na população adulta como na de crianças e adolescentes.

Por que você escolheu este método de ensino?

DENISE Os métodos de ensino incluídos no planejamento dos dez encontros incluíram aulas expositivas-dialogadas, práticas de experimentos sobre neurofisiologia da dor, atividades externas com os alunos realizando entrevistas com pessoas (adultos e adolescentes com dor), entre outros. Tais atividades foram escolhidas a fim de passar o conhecimento teórico como também proporcionar aos alunos experiências práticas sobre os conteúdos.

Você já alterou algo no método de ensino ou no conteúdo após esses primeiros encontros? Se sim, baseado em qual comportamento do aluno?

DENISE Sim, nós alteramos principalmente a ordem entre atividades teóricas e práticas a fim de manter os alunos mais engajados e interessados. Percebemos que dois alunos em especial estavam poucos motivados com o assunto ou a aula expositiva.

O grupo da Denise é composto pelos alunos:

  •  Ana Júlia Lima
  • Eduardo Nadalon Molesin 
  • Franciely Victoria Nascimento de Sousa 
  • Thais Ramos Gaspar 
  • Weslizem Micael Barbosa Rodrigues 
  • Yasmin Souza Macedo 

Deixe uma resposta