Ex-alunos da Casa da Ciência publicam artigo em parceria com pesquisador da Universidade de Oxford

Quatro ex-alunos da Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto participaram como revisores de um estudo publicado pelo pesquisador Andrew Parker, do Departamento de Fisiologia, Anatomia e Genética da Universidade de Oxford (Reino Unido).

O artigo foi publicado no dia 17 de agosto na plataforma online Frontiers for Young Minds, com o título “Fakes and Forgeries in the Brain Scanner”. A publicação está disponível no link: https://goo.gl/TPx8TY.

Os autores da revisão são os estudantes Douglas Barboza, Luan Bertoloti, Maria Eduarda Jurado e Olavo Caetano Inácio, todos da cidade de Luís Antônio-SP localizada a 50 km de Ribeirão Preto.

Prof. Dr. Guilherme Lucas

Os alunos começaram em 2017 a participar do projeto de Iniciação Científica da Casa da Ciência com o tema “Explorando o sistema nervoso”, orientados pelo Prof. Dr. Guilherme Lucas, do Departamento de Fisiologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP.

A ideia de contribuir com a revisão do artigo surgiu do próprio professor, editor-associado da revista digital na área de Neurociência, já que o grupo estava estudando o cérebro e tinha adquirido um bom conhecimento inicial.

“No nosso primeiro encontro, eu explico como funciona a revisão do texto, ressaltando a importância da participação deles no sentido de adequar a linguagem para crianças e adolescentes. Em seguida, eles recebem o artigo junto com algumas perguntas para serem respondidas a respeito dele. São os alunos que vão dizer o que está claro e o que precisa ser modificado no manuscrito para que ele se torne compreendido pelo público jovem”, explica o docente.

Os alunos têm uma semana para ler o artigo e tentar responder algumas perguntas como: o vocabulário e as sentenças são adequados para a sua idade? Os autores fornecem informações suficientes para entender o trabalho deles? As figuras ajudam a entender o texto? Que sugestões você faria para tornar o texto mais fácil de entender ou mais interessante? Assim, os alunos também aprendem como funciona o processo de revisão de artigos científicos e entendem a importância da parceria entre o autor e os revisores.

Para o Prof. Guilherme Lucas, a iniciativa se tornou possível graças ao trabalho anterior realizado pela equipe da Casa da Ciência.

“Os alunos que revisaram o artigo já haviam passado pela Casa da Ciência e participaram de um projeto de Iniciação Científica Júnior no meu laboratório. Desde o início, era evidente a familiaridade desses alunos com o método científico e com conceitos fundamentais como o teste de hipótese, escolha de amostras, grupo controle, distribuição aleatória, estudo duplo-cego, diferença estatística e etc. Com essas ferramentas essenciais, eles eram capazes de avaliar, criticar ou sugerir novas maneiras para se investigar o tema proposto. Foi um prazer muito grande trabalhar com eles”, afirma o neurocientista.

O professor ressalta que o trabalho proposto pela Casa da Ciência vai além da educação científica. “Talvez possamos chamar de alfabetização científica. Ali se formam crianças e adolescentes capazes de analisar evidências pelo método científico”, afirma Lucas.

Para a estudante Maria Eduarda Jurado participar da iniciativa foi uma experiência muito interessante, desafiadora e que promoveu o estudo mais aprofundado do cérebro durante a Iniciação Científica.

Maria Eduarda Jurado

“Tivemos um pouco de medo pois teríamos que revisar um artigo em outra língua escrito por um PhD em ciências naturais e torná-lo acessível para que qualquer pessoa pudesse entender com facilidade”, explica a jovem.

Segundo a estudante, a participação de cada integrante do grupo foi fundamental para a construção do conhecimento. “Procuramos ajudar caso alguém não entendesse alguma coisa, ou tivesse alguma dificuldade em traduzir as palavras. Essa característica de trabalhar em equipe nós adotamos desde os primeiros projetos da Casa da Ciência”, destaca Jurado.

Maria Eduarda, assim como os outros integrantes do grupo de Iniciação Científica, já participava há alguns anos dos projetos que a Casa da Ciência desenvolve. A ex-aluna destacou a importância das atividades na sua formação.

“Desde quando entrei na Casa da Ciência mudei minha perspectiva com o mundo, passei a olhar tudo de outro modo, procurar os ‘porquês’ e não aceitar somente as primeiras respostas que encontrava. Isso me ajudou muito a melhorar meu senso crítico tanto para as coisas do dia a dia quanto na escola”, diz a estudante.

Artigo: “Fakes and Forgeries in the Brain Scanner”

No estudo, ligado a área da neurociência, os pesquisadores colocaram pessoas em um scanner para medir as respostas cerebrais, enquanto elas recebiam opiniões diferentes sobre a mesma obra de arte do pintor holandês Rembrandt.

Para alguns observadores os cientistas contavam que o retrato era um Rembrandt genuíno e para outros que era falso. As respostas cerebrais analisadas mais interessantes foram encontradas nas pessoas informadas de que as pinturas eram falsas.

O artigo aponta que quando são dadas opiniões diferentes sobre a mesma obra de arte as pessoas parecem mudar suas próprias opiniões e atitudes. Digitalizando seus cérebros, os cientistas foram capazes de descobrir o que elas fazem quando sua opinião é alterada por novas informações.

Duas partes do cérebro, uma envolvida no planejamento estratégico (córtex frontopolar) e outra envolvida na visão (córtex occipital), pareciam trabalhar juntas quando as pessoas pensavam que as pinturas eram falsas.

Frontiers for Young Minds

A proposta da plataforma online Frontiers for Young Minds é publicar as descobertas científicas em uma linguagem acessível ao público mais jovem. A ideia central é que estudantes e cientistas trabalhem juntos para criar artigos que sejam ao mesmo tempo precisos e estimulantes.

Assim, os pesquisadores de destaque internacional são convidados a escrever sobre os mais recentes estudos e cabe às próprias crianças, com a ajuda de um mentor científico, auxiliar os autores na redação final.

O portal, premiado pela American Library Association’s como um dos melhores websites para crianças, oferece uma coleção de artigos científicos de diferentes áreas (Astronomia e Ciência Espacial, Biodiversidade, Terra e seus recursos, Saúde, Matemática, Neurociência) todos disponíveis gratuitamente.

Casa da Ciência

Casa da Ciência do Hemocentro de Ribeirão Preto atua como braço educacional do Centro de Terapia Celular (CTC-USP), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs) financiados pela FAPESP.

Profa. Dra. Marisa Barbieri

O programa, coordenado pela Profa. Dra. Marisa Ramos Barbieri, teve início 2001 com a proposta de reunir pesquisadores, professores de ensino básico e estudantes em um ponto de encontro e de troca de conhecimentos.

Segundo a professora, a iniciativa foi uma ótima surpresa e trouxe um forte sentimento de conquista. “Mais um trabalho e muito acima das expectativas. Também uma reflexão sobre ‘o esperado e o possível’, os limites do projeto Casa da Ciência que vão sendo ultrapassados com esses resultados. É a confirmação da determinação, dedicação e carinho do Prof. Guilherme Lucas em orientar este grupo de jovens. Cresceram e com muita alegria sabem o caminho, atestando o nosso”, afirma Barbieri.

Para a coordenadora os depoimentos e estudos indicam que a iniciação científica é importante, necessária e quanto mais cedo melhor.

“O ensino básico tem importância de introduzir os alunos no campo das ciências e suas características de indagar, encontrar respostas, propondo e testando hipóteses, procedimentos, provocar relações entre áreas do conhecimento consideradas distantes. Os alunos que frequentam o programa costumam afirmar que aqui ‘aprendem a estudar e melhoram na escola’. É preciso investir com a certeza de que o potencial existe e que depende de oportunidades. Criar espaços, acreditar, ter projeto, orientar, buscar resultados e se apaixonar”, explica a professora.

O projeto da Casa da Ciência congrega orientação para a investigação científica, apoio de palestras temáticas, práticas de laboratório, observações e coletas em campo, registros de processos e resultados e avaliação de projetos.

Fonte:  Centro de Terapia Celular (CTC-USP)

 

%d blogueiros gostam disto: