Finalização das atividades

Sexto encontro – 26/01/2012

Depois de cinco tardes de muitas observações e descobertas, os alunos do “Férias com Ciência” participaram de um exercício com os monitores para relembrar os conceitos que foram trabalhados durante o programa. Com todos os materiais em mãos – os ninhos de abelhas e vespas coletados, os jovens produziram textos expondo os conceitos que acharam relevantes. Confira os textos:
Megachilidae
Abelha Megachilidae que ermergiu

do ninho de folhas

As Megachilidae são espécies de abelhas solitárias, o que significa que elas produzem seus ninhos sozinhos e não vivem em sociedade, como as sociais.

Elas, as Megachilidae, tem uma maneira muito diferente de construir seus ninhos: elas utilizam folhas e uma espécie de secreção formando pequenos tubos. Essas abelhas acumulam o pólen nos pelos do terceiro par de pernas, durante o dia, enquanto se alimentam, retornando ao ninho para depositar o pólen e, em seguida, põem seus ovos sobre ele, construindo câmaras com folhas e fechando o ninho.
O ovo posto pela abelha irá eclodir liberando a larva que se alimentará do pólen, depois na alimentação, a larva desenvolvida construirá seu casulo onde passará a fase de pupa até a fase adulta, momento em que sai do ninho.
Ninho que a abelha Megachilidae

fez em uma das frestas da prateleira

Estas abelhas passam 50-60 dias de sua vida dentro do ninho para que, depois, continuem seu ciclo de vida, construindo outro ninho após ser copulada, se for uma abelha fêmea, ou procurando abelhas para copular, se for macho.
Redação:
Yasmin Soares Lázaro Pereira – 9º ano – Colégio auxiliadora
Verônica Framartino – Ensino Médio Completo – Moura Lacerda 
Euglossini
Abelha Euglossini que emergiu do ninho
Várias características determinam se um ninho é de um inseto solitário ou de um inseto social. O ninho que observei foi feito dentro de uma prateleira e pertencia a um inseto solitário. Algumas características levam a essa conclusão. Os insetos solitários fazem alguns alvéolos onde botam seus ovos. Depois eles fecham as câmaras com os ovos e uma reserva de alimento, no caso, o pólen, e por fim fecham a entrada do ninho. Após o período de desenvolvimento, que pode variar, os insetos dentro das câmaras rompem a entrada do ninho e saem.
Uma maneira mais fácil de entender é fazendo uma comparação com os insetos sociais. Os insetos sociais possuem várias câmaras em seus ninhos. Diferentemente dos solitários, os vespas sociais (marimbondos) cuidam das larvas até elas atingirem o auge de seu desenvolvimento.
As cápsulas (câmaras) do ninho são bem interessantes pela sua rigidez. Algumas câmaras estavam abertas, que significa que os insetos dentro das mesmas já nasceram. Dentro dessas cápsulas há pólen, que prova que a Euglossini é polinizadora.
  
Câmaras do ninho da Euglossini

dentro da cavidade de uma prateleira

no MuLEC

A abelha fecha a cavidade 

que dá acesso ao ninho

com resina que ela mesma produz

Umas das grandes diferenças entre o inseto solitário e o inseto social é que a mãe (solitário) morre antes do filho nascer. Já nos insetos sociais, a mãe está presente quando os filhos nascem, pois eles necessitam de cuidados.
Redação:
Luiz Gabriel – Colégio Santa Úrsula – 8º ano
Revisão: Fernando Trigo e Ricardo Couto
%d blogueiros gostam disto: