“A bruxa tá solta”: a matemática das crendices populares

Gato preto dá azar? Mariposas são um mau presságio? Macacos transmitem febre amarela? Mitos, crenças e lendas envolvendo animais foram o tema do grupo “A bruxa tá solta: a matemática das crendices populares”, orientado pela bióloga Flávia Regina Bueno e Denise Bernardo Lemes, formada em economia. O objetivo foi juntar os conceitos de ambas as áreas. “Tudo está interligado, e não podemos colocar o conhecimento em disciplinas separadas”, afirmaram as orientadoras. Para isso, desenvolveram a aplicação de um questionário sobre o tema, tabularam os resultados e fizeram análise de gráficos.

A pedido dos alunos, foram organizadas visitas a laboratórios de comportamento animal, de abelhas e biotério de criação de roedores. “O objetivo foi desmistificar a figura do cientista, e falar da importância da pesquisa científica e da divulgação, para melhor esclarecimento da população”, afirmou Denise. A mídia também foi abordada ao disseminar crenças de animais vítimas de preconceito como gambás e sapos, por meio de fake news. E suas consequências para os animais, como a notícia falsa, veiculada pelo Facebook, de um puma que havia atacado um cachorro no município de São Miguel do Iguaçu, o que poderia acarretar na perseguição aos pumas e onças da região.

Mitos e os animais
O grupo trabalhou conceitos do comportamento dos animais, a Etologia, e também da Etnozoologia, estudo multidisciplinar das relações entre as culturas humanas e os animais (não humanos), onde mostrou-se o interesse muito antigo do homem pelo comportamento animal. Mitos envolvendo animais, desde insetos a mamíferos, fazem com que as pessoas acreditem que certos animais são perigosos ou transmitem doenças. Grilos, baratas e formigas são encontrados em lendas e fábulas do folclore brasileiro. Outro mito está relacionado à mariposa, chamada popularmente de “bruxa”. A crença vem da Idade Média, em que as mulheres consideradas bruxas poderiam se transformar em mariposas pretas.

Filmes e animações também retratam essas relações. Em “Madagascar”, a libertação dos animais de zoológico é diferente da realidade de animais de cativeiro sobreviverem num ambiente externo. Documentários e animações também mostram um contraste, de um lado, uma relação de proximidade e admiração com animais selvagens. Mas, na vida real, não é raro observar matança de animais silvestres, como onças, exibindo os animais mortos como troféu.

Sete vidas
Por que os gatos têm sete vidas? Esses animais povoam há muito tempo o imaginário das pessoas. Essa história, que provavelmente remonta à Idade Média, transmitida ao longo dos anos, está relacionada à capacidade de os gatos serem mais resistentes à doenças, em comparação aos cachorros. Também foram associados às bruxas, e muitos foram sacrificados. Por causa dessa lenda, a execução dos gatos teria aumentado da população dos ratos, cujas pulgas teriam disseminado a peste negra. Mas, pesquisas recentes mostram que outras questões devem ser associadas, como a falta de saneamento básico, e falta de conhecimento em relação às doenças.

Mais próxima à nossa realidade, existe a crença errônea que os macacos, principalmente os bugios, transmitem a febre amarela – cuja transmissão se dá por meio de vetores, mosquitos dos gêneros Haemagogus e Sabethes. Isso provoca uma matança desses animais na tentativa de diminuir a transmissão da doença. Para isso, mostraram gráficos com números de mortes causadas pela febre amarela, em determinados estados. “Quando um macaco está infectado e morre, pode ser um sinal para entender a dispersão da doença”, disse Denise.

Matemática e jogos
Usando os recursos da matemática, os alunos aplicaram um questionário sobre as crendices populares para mais de 100 pessoas, de diferentes faixas etárias. Para isso, compreenderam a diferença entre pesquisa escolar e a científica. Fizeram análise com a planilha de excel e tabulação dos dados, mostrando a importância da estatística como forma de coleta.
Para o pré-mural, os alunos relacionaram temas que julgaram mais importantes e elaboraram um roteiro. Para o Mural, os alunos fizeram pesquisas de reportagens e produziram materiais. A aluna Tainá apresentou um jogo envolvendo conceitos estudados, entre eles comportamento aprendido e inato (não aprendido), com a utilização de figuras. Outra brincadeira foi um jogo de adivinhação com animais que despertam o interesse e muitas vezes o medo (muitas vezes inexplicável) dos seres humanos.

Animais racionais ou irracionais?
O que diferencia o homem dos outros animais? Essa discussão surgiu do livro “Sapiens: uma breve história da humanidade”, de Yuval Harari. “Na revolução cognitiva, o homem desenvolveu a capacidade para se comunicar e contar fatos que aconteceram, ou seja, o homem passou a inventar e contar histórias. Foi a partir daí que surgiram os mitos, e a capacidade de acreditar em coisas que não existem. E isso os animais não têm, embora tenham capacidades cognitivas que os classifiquem igualmente como racionais”, explicou Flávia. Essa capacidade faz com que o homem transmita informações à sua volta, verdadeiras, e falsas também.

A famosa foto de patinhos seguirem a mãe pata mostra o “imprinting”, um tipo de comportamento inato que ocorre com gansos, patos e galinhas, descrito pelo pesquisador austríaco Konrad Lorenz. “Assim que eles saem do ovo, filhotes seguem a primeira pessoa que veem na frente: acham que é sua mãe e a acompanham por toda parte. Uma forma de terem uma referência, para se sentirem seguros e conseguirem alimentação”, explicou Flávia. O tema, abordado no Mural, foi questionado por um dos avaliadores: “os seres humanos também sofrem imprinting ao longo da vida?”. Sem respostas, instigou os alunos: “como você aprendeu a falar?”. Entusiasmados, rapidamente contaram às orientadoras o que haviam aprendido.

Texto: Gabriella Zauith
Revisão: Flávia Regina Bueno

Orientadoras:

Flávia Regina Bueno
Denise Bernardo Lemes

Alunos:

Ana Eduarda Pereira de Oliveira
Dumayne Pereira
Maria Clara de Oliveira do Nascimento
Sergio Oliveira Tozetto Neto
Tainá Aranha da Rocha
Thierry Martins Damaceno Carvalho

Este slideshow necessita de JavaScript.

Publicações Relacionadas

Comentários