HOMEM: PREDADOR DE TODAS AS ESPÉCIES

No vídeo “História evolutiva da Doença de Chagas”, aprendemos sobre a doença em si e também sobre o vetor dessa enfermidade, que é o bicho barbeiro. Este é um  artrópode (inseto), classificado na espécie dos Triatoma infestans e pertencente à ordem dos Hemipteras. Todavia, com a palestra “Entomologia- Estudo dos insetos” foi possível compreender que para o barbeiro ou qualquer outro tipo de animal ser classificado como um artrópode é necessário ser invertebrado, ter exoesqueleto quitinoso e ser dividido em três tagmas: cabeça, tórax e abdome.

Ao todo, existem cerca de 1 milhão de espécies de insetos conhecidos, porém muitos ainda não foram descobertos, por isso, estima-se que para cada ser humano na Terra existam cerca 200.000.000 de insetos. Esses animais são muito importantes para a vida no planeta. As abelhas, por exemplo, são fundamentais para a polinização que, por sua vez, é essencial para a reprodução das plantas e permite que muitas lavouras de alimentos produzam de maneira adequada. Contudo, existem outros fatores que influenciam na relação desses insetos com a natureza e a humanidade, que são os habitats. Há espécies de insetos que vivem somente em algumas regiões, outros que habitam um determinado tipo de solo ou árvore e existem, ainda, aqueles que são facilmente encontráveis e que habitam até mesmo em nossas casas, como é o caso de mosquitos, formigas e baratas. Ou seja, nós compartilhamos o habitat com esses animais.

Entretanto, o vídeo “O caso das onças e histórias de pescador” abordou um tema muito importante sobre a relação de espaço do homem e da natureza e as mudanças na fauna ao longo do tempo. Nesta atividade, tivemos que entrevistar moradores antigos da cidade e questionar quais eram os animais vistos antigamente no local. Com isso, foi possível perceber que muitos insetos como vagalumes, besouros e abelhas eram muito mais comuns do que são atualmente. É perceptível que conforme o tempo foi passando, muitos animais, inclusive os insetos, foram deixando de existir em abundância. Isso é muito preocupante porque demonstra uma perda de biodiversidade que, consequentemente, irá afetar muito na vida humana. É preciso conhecer a diversidade de animais que estão ao nosso redor e saber preservá-los, pois se continuarmos ignorando o fato de que o número de espécies está em constante declínio, a próxima espécie que correrá riscos de extinção, é a humana.

Publicações Relacionadas

Comentários