Artigo científico revisado por alunos da Casa da Ciência ganha tradução para o português

Essa é para quem reclama que é difícil ler em inglês. O artigo científico publicado na revista científica Frontiers for Young Minds, que contou com a participação de alunos da Casa da Ciência como revisores, agora está disponível em português!

Recentemente a aluna de graduação Laís Souza Toledo Pereira, da Unicamp, escolheu traduzir o artigo sobre neurociência para seu trabalho de uma disciplina do curso de letras da faculdade. Muito obrigado, Laís, pela tradução e por compartilhar com a gente o trabalho.

O artigo “Fakes and Forgeries in the Brain Scanner” publicado na revista científica Frontiers for Young Minds, no ano passado, teve como revisores alunos da Casa da Ciência orientados pelo professor Dr. Guilherme Lucas Departamento de Fisiologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. Nós já contamos um pouco sobre como foi essa experiência para os alunos e professor, não deixe de conferir!

Texto: Caio M.C.A. de Oliveira

Revisão: Roberto Galetti Sanchez


Farsas e falsificações no aparelho de monitoramento cerebral

Autor: Andrew Parker
Jovens revisores: Douglas (16 anos); Luan (15); Maria Eduarda (15) e Olavo (15)
Tradutora para o português: Laís Souza Toledo Pereira

 

Sobre o autor: Andrew Parker estudou Ciências Naturais em Cambridge, na Inglaterra, e ficou lá para fazer um doutorado. Quando se mudou para Oxford em 1979, seu pai continuava perguntando se toda aquela pesquisa estava “realmente indo para algum lugar”. Essas perguntas meio que pararam uns 17 anos depois, quando Andrew se tornou professor universitário. Seu principal interesse é a sensação especial de profundidade sonora que temos quando assistimos a filmes 3-D no cinema. Sua principal dica sobre ciência é “nunca confie em quem acha que tem uma grande teoria para tudo”.

*andrew.parker@dpag.ox.ac.uk

Jovem revisores

Douglas

Oi! Estou no 3º ano do ensino médio na Escola Estadual Coronel Arthur Pires. Minhas matérias favoritas são biologia, história e português. Eu jogo voleibol desde os 9 anos. Quero ser médico e participar da iniciativa Médicos sem Fronteiras.

Luan

Oi! Estou no 1º ano do ensino médio na Escola Estadual Coronel Arthur Pires. Minhas matérias favoritas são biologia e química. Gosto de jogar basquete, tocar guitarra, sair com amigos e participar das atividades da igreja.

Maria Eduarda

Oi! Estou no 1º ano do ensino médio na Escola Estadual Coronel Arthur Pires. Minhas matérias favoritas são biologia e filosofia. No meu tempo livre, gosto de dançar balé, ler e andar de patins.

Olavo
Estou no 1º ano do ensino médio na escola Miguel Nayme, localizada na cidade de São Simão. Matemática e física são minhas matérias favoritas. Depois da escola, gosto de ler, tocar guitarra e jogar videogame. Quando terminar o ensino médio, quero estudar engenharia aeronáutica.

Resumo: Quando vamos a uma galeria de arte, geralmente há informações sobre as obras escritas em plaquinhas grudadas nas paredes. Essas plaquinhas são especialmente preparadas por especialistas para nos dar suas opiniões sobre os objetos de arte. Pensamos que a maioria das pessoas acredita no que está escrito nessas legendas, e queríamos entender o quanto essas opiniões poderiam ser poderosas. Então, colocamos pessoas dentro de um aparelho de monitoramento cerebral para medir suas respostas cerebrais enquanto elas recebiam diferentes opiniões sobre as mesmas pinturas. Para esta pesquisa, usamos pinturas de retratos do famoso artista holandês Rembrandt. Algumas vezes, dizíamos que o retrato era um genuíno Rembrandt e outras, que era falso. Ao analisarmos as respostas cerebrais, as mais interessantes foram encontradas quando as pessoas tinham sido informadas de que as pinturas eram falsas. Duas partes do cérebro, uma envolvida com planejamento estratégico (chamada de córtex frontopolar) e uma envolvida com a visão (chamada de córtex occipital), pareciam funcionar juntas quando as pessoas pensavam que as pinturas eram falsas.

 

Às vezes, vemos no jornal que foi encontrada uma obra de arte nova e preciosa. Isso traz muito entusiasmo. A nova pintura, escultura, ou objeto, pode ser bem valiosa. Ela pode ser importante porque ninguém sabia da sua existência antes, ou porque pode ter desaparecido anos atrás, e todo mundo pensava que estava perdida para sempre.

Seja a obra de arte uma descoberta inesperada ou uma produção simplesmente perdida, precisa haver um processo para provar sua legitimidade. Ninguém gosta de ser enganado. E ninguém gosta de ser chamado de trapaceiro. Essas parecem ser regras básicas que aprendemos à medida que crescemos. Então, quando algo é novo ou incomum, fomos ensinados a ser cuidadosos antes de afirmar que é genuíno. Quando a nova obra de arte é finalmente exposta em um museu ou galeria, todo mundo quer ter certeza de que ela é autêntica.

Ao mesmo tempo, o mundo à nossa volta está cheio de coisas em que precisamos confiar. Confiamos que os carros vão parar quando a luz do semáforo ficar vermelha, porque vemos que eles realmente param (quase sempre). Para obras de arte, isso é um pouco diferente. A maioria de nós precisa confiar no que os especialistas de arte nos dizem. Quando olhamos para os objetos exibidos nas galerias ou museus, assumimos que são legítimos. A placa que fica perto da obra é colocada lá para nos dar mais informações, e ela normalmente nos diz o que é conhecido sobre a pintura ou a escultura. Vamos supor que essa placa nos forneça informações erradas. Ela pode dizer que a obra de arte é genuína quando, na verdade, é uma falsificação. Isso importaria?

De certa forma, isso não teria importância alguma. A impressão visual que temos ao olhar uma obra de arte não muda se a plaquinha perto dela estiver incorreta (Figura 1). No entanto, se as pessoas descobrirem depois que estavam olhando para uma obra de arte falsa em vez de uma genuína, elas podem se sentir surpresas ou até um pouco enganadas. As pessoas que veem uma obra de arte tendem a assumir que os especialistas fizeram seu melhor e estão sendo honestos.

Esse passo de decidir se a obra de arte é genuína é importante. Às vezes, o valor de uma pintura pode mudar em mais de dez vezes, apenas com base nas palavras de alguns especialistas. Decidimos que tentaríamos descobrir o que acontece no cérebro quando as pessoas recebem diferentes opiniões sobre a mesma obra de arte.

Nossa equipe é formada por Mengfei Huang, Holly Bridge, Martin Kemp e eu. Martin entende de arte e Holly e eu entendemos do cérebro, particularmente de imagens cerebrais. Porém, para ser sincero, Mengfei fez a maior parte do trabalho duro.

Martin nos aconselhou a usar pinturas do famoso artista holandês Rembrandt van Rijn. Sua justificativa era que existem muitos retratos que se parecem com os de Rembrandt. Alguns deles são conhecidos por serem genuínos, outros são considerados, hoje em dia, pinturas feitas por outras pessoas. Pouquíssimas dessas outras pinturas são verdadeiras falsificações, no sentido de que alguém tentou enganar outra pessoa para ganhar dinheiro com elas. Muitas vezes, elas foram pintadas por alguém que gostava ou admirava o trabalho de Rembrandt e queria tentar fazer algo parecido. Nós chamamos essas obras de arte de “cópias”, não falsificações, porque os artistas que as fizeram não estavam deliberadamente tentando enganar alguém.

Estávamos mais interessados nas cópias que tentavam imitar o estilo de pintura de Rembrandt do que nas que eram uma cópia direta de alguma pintura em particular. Essas cópias, nos últimos anos, enganaram muitos especialistas de arte. O projeto Rembrandt, na Holanda, só recentemente começou a resolver toda essa confusão sobre quais pinturas são genuínas e quais não são. Os especialistas de arte chamam as pinturas de “falsas” quando elas não são legítimas.     

Mengfei nos trouxe um conjunto de imagens do projeto Rembrandt. Algumas dessas imagens mostravam retratos genuínos do pintor, mas outras mostravam falsificações. Decidimos exibir os dois tipos de imagens – retratos legítimos e falsos – para as pessoas no nosso aparelho de monitoramento cerebral e depois medir a atividade cerebral delas (veja o Quadro 1). Antes de fazermos isso, reorganizamos as legendas. Chamamos algumas das obras genuínas de “autênticas”, no sentido de que tinham sido realmente pintadas por Rembrandt. No entanto, chamamos outras obras genuínas de “cópias”, o que significa que indevidamente dissemos para as pessoas que aquelas não eram pinturas genuínas de Rembrandt. Para as imagens do projeto Rembrandt que eram falsas, fizemos a mesma troca de legendas.

Então, acabamos com quatro tipos de apresentação de imagem no aparelho de monitoramento. Aqui está uma tabela que mostra isso.

Tabela 1 Diferentes obras de arte e suas legendas.

Misturando as legendas e as imagens da forma mostrada aqui, pudemos descobrir especificamente que efeito a troca dos rótulos tem na atividade cerebral, sem importar se a imagem era autêntica ou uma cópia.

Colocamos nossos participantes dentro do aparelho de monitoramento cerebral (veja o Quadro 1) e pedimos que observassem a sequência de imagens. Pouco antes de ver uma imagem, eles escutavam uma gravação dizendo se a imagem era “autêntica” ou uma “cópia”. Enquanto olhavam para a imagem, o aparelho coletava suas respostas cerebrais. Nós dividimos os participantes em dois grupos. Ambos os grupos viram todas as imagens. O primeiro ouviu uma legenda para cada imagem, de acordo com a mistura de rótulos e imagens da Tabela 1. O segundo viu as mesmas imagens, mas em todos os casos a legenda que ouviram dizia o oposto daquilo que o primeiro grupo escutou. Tentamos manter tudo o mais equilibrado possível, de modo que não estivéssemos influenciando as pessoas de um jeito ou de outro.

Para mais detalhes sobre como aparelhos de ressonância magnética funcionam, veja https://www.win.ox.ac.uk/for-the-public/what-is-fmri.

Figuras 2 e 31

Figura 2 – Como o aparelho de monitoramento cerebral faz uma imagem.

 

Os ímãs auxiliares mudam a força do campo magnético de modo que ele fique um pouco mais forte em um lado da cabeça da pessoa. Isso ajusta as estruturas dentro dos átomos de hidrogênio das moléculas de água para tocar com diferentes tons. Moléculas de água em diferentes posições (representadas pelos sinos) emitem um tom ligeiramente diferente. Tons baixos (sinos grandes) para a direita e tons altos (sinos pequenos) para a esquerda. O aparelho usa uma pulsação de ondas de rádio para definir o toque dos sinos. Os instrumentos e o computador do aparelho medem os tons vindos dos átomos de hidrogênio e constroem um mapa espacial baseado nos tons altos e baixos que voltam.

 

 

Figura 3 – Visão lateral do cérebro humano mostrando o lado esquerdo dele, com a frente do cérebro no lado esquerdo da imagem e a parte de trás dele à direita.

As três áreas do cérebro importantes para essa pesquisa estão marcadas. A área colorida no córtex occipital mostrou maior comunicação com a parte frontal do cérebro quando as pessoas foram informadas de que estavam vendo obras de arte falsas.

 

 

Mengfei, então, analisou as imagens cerebrais (veja o Quadro 2), com a ajuda de Holly, usando as categorias da Tabela 1. Na figura 3, você pode ver as regiões do cérebro que se mostraram importantes no nosso estudo. Fazendo uma média entre nossos 14 participantes, nós encontramos três coisas interessantes. Primeira, quando as pessoas eram informadas de que uma imagem era “autêntica” (mesmo quando essa opinião não era verdadeira), uma parte do cérebro chamada de córtex orbitofrontal ficou ativa. Cientistas que estudam o cérebro já sabem que essa parte dele responde quando nós sentimos que alguma coisa é gratificante ou prazerosa. E pode ser qualquer coisa mesmo, de tomar um sorvete até ganhar no jogo de cartas. Ser informado de que estamos olhando para um Rembrandt genuíno também parece ser recompensador, com base em nossos resultados.

Segunda, testamos se o cérebro poderia dizer a diferença entre uma pintura genuína de Rembrandt e uma cópia, independentemente da etiqueta. Isso significava comparar as respostas cerebrais da primeira linha da Tabela 1 com as respostas cerebrais da segunda linha. Não houve diferença significativa. Embora esse resultado tenha sido um pouco decepcionante, ele ainda é interessante. O resultado nos mostrou que as diferenças visuais entre os genuínos Rembrandt e as cópias eram tão pequenas que na média os cérebros das pessoas respondiam da mesma forma para um Rembrandt genuíno ou falso.

Terceira, e a mais interessante de todas, foram as respostas do cérebro para a etiqueta “cópia”. Depois de terem seus cérebros escaneados, muitas pessoas comentaram que, cada vez que ouviam um rótulo de “cópia”, ficavam ocupadas tentando descobrir o que tornava a imagem falsa, em vez de genuína. Suas respostas cerebrais mostraram essa atividade. Uma parte do cérebro bem na frente, logo atrás do osso da testa, ficou ativa. Essa área do cérebro é chamada de córtex frontopolar. Ela está envolvida na resolução de problemas e na elaboração de estratégias de longo prazo, coisas que costumamos associar a um alto grau de inteligência. Os cientistas que estudam o cérebro não sabem tudo que acontece no córtex frontopolar, por isso é interessante que ele tenha ficado ativo na nossa situação experimental.

Nós também descobrimos outra coisa sobre a atividade do córtex frontopolar. Sua atividade vinculou-se à atividade das partes visuais do cérebro. Essas partes estão no extremo oposto do cérebro em relação ao córtex frontopolar; elas estão na parte de trás da cabeça, em uma região chamada córtex occipital. O que descobrimos foi que, se a atividade do córtex occipital subia ou descia, então a atividade do córtex frontopolar subia ou descia ao mesmo tempo. Mas isso só aconteceu de forma confiável quando os participantes foram informados de que a pintura era uma cópia. É como se essas duas partes do cérebro começassem a conversar mais uma com a outra quando as pessoas recebiam a etiqueta de cópia.

De acordo com nossos experimentos, fazer um julgamento sobre algo ser ou não genuíno envolve várias partes diferentes do nosso cérebro trabalhando juntas, em vez de apenas uma parte se tornando ativa sozinha. Gostamos dessa ideia e sentimos que essa é a próxima coisa a ser testada com mais rigor. Também devemos lembrar que nossos participantes não estavam olhando para obras de arte reais durante este estudo. Eles estavam olhando apenas para imagens de obras de arte na tela de um computador. Isso pode ser uma limitação do que fizemos, mas todos os estudos científicos envolvem algum grau de comprometimento.

Nós também nos divertimos muito fazendo essa pesquisa e começando a trabalhar nessas novas ideias. Se você se sentir pronto para olhar para o artigo científico que nós escrevemos sobre isso, você pode conferir aqui [1]. E a nossa questão original? Importa se somos enganados por uma obra de arte? A resposta parece ser “Sim, isso importa”, e é um pouco mais complicado do que apenas o lugar em que a tinta é colocada na obra de arte. O que mostramos é que o que as pessoas pensam sobre obras de arte é muito importante. Quando damos opiniões diferentes sobre a mesma obra de arte, as pessoas parecem mudar suas próprias opiniões e atitudes. Ao analisar seus cérebros, conseguimos descobrir algo sobre o que as pessoas estão fazendo quando suas opiniões são alteradas por novas informações.

Declaração de conflito de interesse
O autor declara que essa pesquisa foi conduzida na ausência de quaisquer relações comerciais ou financeiras que possam ser interpretadas como um potencial conflito de interesses.

[1] Artigo fonte original
↑ Huang, M., Bridge, H., Kemp, M. J., and Parker, A. J. 2011. Human cortical activity evoked by the assignment of authenticity when viewing works of art. Front. Hum. Neurosci. 5:134. doi:10.3389/fnhum.2011.00134

Referências
Sobre o Frontiers for Young Minds

https://www.frontiersin.org/about/about-frontiers

Sobre o artigo revisado pelos ex-alunos da Casa da Ciência

http://www.casadaciencia.com.br/ex-alunos-da-casa-da-ciencia-publicam-artigo-em-parceria-com-pesquisador-da-universidade-de-oxford/

O link do artigo “Fakes and Forgeries in the Brain Scanner”

https://kids.frontiersin.org/article/10.3389/frym.2018.00039

 

%d blogueiros gostam disto: