Textos – “Por que sentimos dor?”

Os alunos que participam do programa Adote um Cientista têm a chance de escrever sobre as palestras apresentadas por Docentes e Pós-graduandos da USP.

No dia 10 de março a Casa da Ciência recebeu o Prof. Dr. Guilherme Lucas com a palestra sobre Por que sentimos dor?.
Alguns desses textos foram selecionados e estão disponíveis para consulta.

 


 

10mar16_B_GrazielaS_v1 (853x1280)

 

Texto da Aluna: Graziela de Souza Jayme

Aluna do 9º ano

EMEB João Nogueira

 

            “Nossa dúvida começou com a pergunta ‘por que sentimos?’ e começamos a dizer que foi René Descartes, em 1664, quem dizia que dor era um espírito, e de alguns anos para cá percebemos que é o sistema nervoso que manda mensagem, ou seja, transmite dor.

Mas qual seria realmente a origem da dor? A dor poderia ter vindo sobre transdução, transmissão, recepção e modulação.

Aí, o palestrante Guilherme fez uma pergunta: dor é ruim ou boa?

Pensamos um pouco e tivemos a resposta de que dor é boa em partes, pois ela pode deixar nosso corpo e alerta para qualquer ação e ficarmos preparados para tudo.

A conclusão foi que a dor que sentimos é para poder nos avisar e nós tomarmos providências e fazer algo para a dor parar de incomodar.”


 

10mar16_B_PedroE_v1 (853x1280)

 

Texto do Aluno: Pedro Estevão Paulista

Aluno do 7º ano

EMEB João Nogueira

 

“Você sente dor? Pois saiba que todos nós sentimos dor.

A nossa dor está associada a sofrimento. Ela pode ser emocional (saudades, perda, ansiedade, depressão, medo,…) ou física. Experiência sensorial e emocional desagradável (ou insuportável) associada com uma lesão tecidual efetiva ou potencial.

René Descartes (1664) acreditava que no nosso corpo havia tubos que iam até a mente onde ele acreditava que ficava o espírito, que para ele era quem avisava de algo errado que ocorresse com o nosso corpo. Nos tempos atuais nós sabemos que a dor é transmitida pelo sistema nervoso. Os neurônios (as células responsáveis pela transmissão e reconhecimento da dor) são os responsáveis pela transmissão da dor, os neurônios se comunicam por meio de ‘sinapses’, que é o local de contato entre neurônios, por onde ocorre a transmissão de impulsos nervosos. Há comunicação entre vários tipos celulares, mas não necessariamente através da sinapse.

Os neurônios têm ‘dendritos’ (prolongamentos especializados em receber estímulos do meio ambiente e de outros neurônios); ‘excitabilidade’ (propriedades que permitem a uma célula responder a estímulos; movimentação de íons gerando um impulso elétrico); ‘axônio’ (é o prolongamento único, capaz de transmitir informação dos neurônios para outras células); ‘condutividade’ (capacidade de transmitir o impulso elétrico em grande velocidade; potencial de ação); ‘corpo celular’ (núcleo e organelas citoplasmáticas e informações dos neurônios para outras células); e ‘sinapse’ (capacidade de se comunicar com outras células).”


 

10mar2016_B_PauloEstevão_v1 (853x1280)

 

Texto do Aluno: Paulo Estevão Paulista

Aluno do 6º ano

EMEB João Nogueira

 

“A dor é uma experiência sensorial e emocional, desagradável (ou insuportável) associada com uma lesão tecidual efetiva ou potencial. A dor é importante. Exemplo: se você não tiver dor, poderá afetar a sua vida, como quando sai sangue, de seu pescoço, mas você nem percebe e isso causará sua morte provavelmente. (O sistema nervoso transmite a dor).

O neurônio: a célula responsável pela transmissão e reconhecimento da dor.

Excitabilidade: propriedade que permite a uma célula responder a estímulos (movimentação de íons gerando um impulso elétrico).

Condutibilidade: capacidade de transmitir o impulso elétrico em grande velocidade (potencial de ação).

Sinapse: capacidade de se comunicar com outras células.

Há diferentes tipos de dores: aguda, inflamatória, neuropática e dor recorrente.”

%d blogueiros gostam disto: